Descubra os melhores restaurantes vegetarianos de Lisboa e deixe-se levar numa viagem gastronómica no mundo do vegetarianismo.

PSI (Alameda St. António Capuchos)

O restaurante Psi é um dos mais antigos restaurantes vegetarianos da capital com portas abertas há quinze anos. O jardim que o envolve foi inaugurado por Dalai Lama e é um local onde apetece estar durante horas a fio, pela tranquilidade e beleza envolventes. A ementa, de influências de todo o mundo (Índia, Tailândia, Norte de África e Itália), oferece opções vegan e sem glúten, adaptando-se às necessidades diatéticas de todos.

Jardim dos Sentidos (Rua da Mãe de Água, 3)

Neste restaurante pode experienciar os sabores das refeições vegetarianas e uma massagem que lhe proporcionará um equilíbrio energético e de relaxamento. O Jardim dos Sentidos oferece, ainda, menus pensados para dois, em ambiente privado, com a possibilidade de obter uma consulta astrológica.

Terra (Rua da Palmeira, 15)

Várias vezes premiado em concursos gastronómicos, o restaurante Terra caracteriza-se, no seu interior, por uma decoração tradicional composta por artesanato proveniente de todo o Mundo. Se escolher à carta poderá ser um bocadinho confuso, aqui não terá esse problema. Os pratos são servidos num buffet bastante completo e de sabores portugueses.

Templo Hindu (Alameda Mahatma Gandhi, Comunidade Hindu de Portugal)

Este é um restaurante um pouco fora do comum, pelo simples facto de ser a cantina do Templo Hindu. Esta cantina, de regime de buffet de comida indiana, serve almoços e jantares que todos os dias sofrem alterações. É ideal para os vegetarianos porque no menu nunca entra carne, peixe e ovos.

Os Tibetanos (Rua do Salitre, 117)

Há 35 anos, Lisboa recebeu o seu primeiro restaurante vegetariano. A cozinha, de influências internacionais, transporta o consumidor para uma viagem de diversos sabores. Para além das ofertas gastronómicas, Os Tibetanos dispõem de uma loja com produtos relacionados com o Tibete e o Budismo, e de um Templo e escola budista, onde decorrem workshops, aulas e meditação.

Artigo publicado a 21.02.2019