Todos os anos há quem aguarde ansiosamente pela primavera, época que se veste de flores das mais variadas cores e perfumes… por outro lado, com ela dá-se a abertura da época da proliferação de pólenes. Ao serem transportados pelo ar e pelo vento entram facilmente nas vias respiratórias, representando um risco acrescido para a saúde ocular, aumentando bastante a incidência de alergias oculares e Síndrome do Olho Seco.

O Betrend convidou a Dra. Lídia Varanda, optometrista da Optivisão Ondalux, de forma a identificar as alergias oculares e quais as melhores medidas preventivas.

Quais são as causas do surgimento da alergia ocular?

Em geral, a alergia ocular é causada por alérgenos, tais como, poeiras, mofo, ácaros, pelos de animais, pólenes… quando esta ocorre o impacto na qualidade de vida é inevitável, sendo que pessoas mais sensíveis, que sofrem de quadros alérgicos como rinites alérgicas, asma, sinusite ou outros problemas respiratórios, ficam mais vulneráveis nesta época. No entanto, qualquer um pode desenvolver este quadro clínico, principalmente se ficar exposto aos alérgenos anteriormente referidos.

 

Como conseguimos distinguir a alergia ocular com o Síndrome do Olho Seco?

A alergia ocular pode facilmente ser confundida com o Síndrome do Olho Seco, ambos são transtornos crónicos que podem estar presentes simultaneamente no mesmo paciente, dificultando o diagnóstico diferencial. No caso do olho seco, não existe produção suficiente de lágrima ou esta não tem a qualidade necessária para manter a lubrificação ocular. Uma pobre lubrificação ocular pode levar à manifestação de sinais e sintomas tais como: vermelhidão, ardor, comichão, sensação de areia nos olhos, visão turva, lacrimejo, fotofobia, entre outros.

 

Que boas práticas podemos adotar?

 Existem algumas medidas preventivas que podem ser tomadas, de forma a minimizar o risco de desenvolver sintomas associados às alergias e ao Síndrome do Olho Seco, nomeadamente:

Limpar os filtros do ar condicionado com regularidade;

Evitar objetos que acumulem pó e pólenes (cortinas, carpetes, tapetes…);

Evitar o uso de espanadores ou vassouras, preferindo os panos húmidos;

Usar colírios umectantes ou lubrificantes, que auxiliam no alívio do mal-estar causado pelas alergias;

Usar compressas frias, de forma a aliviar o desconforto e prurido;

Usar óculos de sol, para além de serem um acessório que deve ser utilizado todo o ano para proteger os olhos da luz solar, são fundamentais para quem sofre com as alergias nesta altura do ano, pois reduzem a facilidade com que o pólen e outras partículas chegam aos olhos;

Manter as mãos bem limpas, evitar levá-las aos olhos ou esfregá-los.

 

Que produtos aconselha para melhoramento dos sintomas?

No que diz respeito a soluções para melhorar os sintomas, existem lágrimas artificiais que são componentes que compensam as lágrimas naturais em falta, lubrificando e protegendo os olhos. A Optivisão cuida da nossa saúde visual, deste modo apresenta o Optilight Hydra Total (lágrima artificial), tem na sua composição Hialuronato de Sódio, funciona como lubrificante de tecidos e Ácido Hialurónico, também este um agente hidratante e lubrificante da superfície ocular, com a particularidade de ter elevada capacidade de retenção. Desta forma, é assegurado um alívio prolongado do desconforto causado pela instabilidade lacrimal e estabilização do filme lacrimal. Esta solução deve ser usada quantas vezes necessárias até atenuar os sintomas. Devem-se dar preferência aos colírios sem conservantes, como é o caso do Optilight, e prestar especial atenção às soluções descongestionantes e vasoconstritoras que disfarçam os olhos vermelhos, mas agravam a secura ocular.

A primavera é uma das estações mais aguardadas no ano, não deixe que as alergias sejam um impedimento para estar em contato com a natureza.

A melhor forma de lidar com as alergias oculares é através da prevenção, visite a sua loja Optivisão para aconselhamento com um optometrista especializado e conheça a gama Optilight, exclusivo Optivisão.

Artigo publicado a 24.05.2019