Começámos por ser convidados para conhecer o espaço do restaurante Belcanto, recentemente renovado, incluindo o espaço da cozinha. Entre vários restaurantes e outros tantos projectos, fomos recebidos por José Avillez com muita simpatia que se sentou com a nossa equipa nesse mesmo espaço, onde conversámos sobre variados assuntos.

E não só! Fique atento também à segunda parte desta entrevista.

 

Começou por estudar Comunicação Empresarial mas não demorou muito a dedicar-se à Gastronomia. É uma paixão de sempre?

Sim, considero que sim. Começou por gostar muito de comer, ainda antes de perceber que queria cozinhar.

Comecei por cozinhar coisas de que gostas ou algo que via mas posso dizer que é uma paixão de sempre.

 

Começou por trabalhar em outros restaurantes, com outros chef’s, onde foi muitas vezes distinguido. Depois os seus restaurantes, livros, televisão, imprensa e, mais recentemente, rádio. Tem muito tempo livre?

Nenhum!! [risos] Não, de facto tenho muito pouco tempo livre. Tento geri-lo da melhor maneira. Mas tudo isto apenas é possível com uma grande excelente equipa.

 

No pouco tempo livre que tem, o que gosta de fazer?

Estar com a minha família, essencialmente. De vez em quando com os meus amigos, infelizmente muito pouco: para terem uma ideia, chego a estar 6 meses sem ver os meus melhores amigos.

Mas gosto de estar com os meus filhos e com a minha mulher, pode fazer várias coisas com eles: ir ao campo, à praia.

 

E cozinha para a sua família?

Nas férias. Mas em casa, muito pouco.

 

Gostávamos de saber a sua opinião sobre toda a atenção que agora é dada à alimentação saudável, especialmente, na comunicação social e nas redes sociais.

Acho que é uma tendência mundial, apesar de ser muito cíclico. O que é considerado saudável hoje, há um tempo poderia ser dito que fazia muito mal e não se sabe o que vão dizer daqui a 50 anos. Nunca se sabe muito bem o que vão questionar e estudar o que se diz ser saudável – há mesmo estudos sobre isso.

Por vezes existe uma preocupação pela percepção do que é saudável, e não exactamente do que é mesmo saudável – por exemplo, há a percepção de que a gastronomia vegetariana é mais saudável. Mas se estiver a comer um prato vegetariano com tudo processado, pode não ser mesmo a opção mais saudável. 

Acho que as pessoas têm cada vez mais consciência do que lhes faz melhor ou pior e o que a faz sentir bem ou menos bem, é uma tendência as pessoas quererem estar em forma, mais bonitas e sentirem-se bem. Mas acho que, em geral, é uma tendência falar de gastronomia em geral, não apenas de alimentação saudável. 

Tudo isto é normal e só cria oportunidades para as pessoas que trabalham na área poderem criar produtos e serviços nesse sentido.

 

Qual é o seu prato preferido?

[risos] Eu costumo dizer que é Bacalhau à Braz, mas não sei se o digo porque me acostumei a dizer ou se ainda é. Mas, gosto muito de bacalhau e gosto de muitas outras coisas, desde que feitas no momento certo e da forma certa. Um bom peixe grelhado, marisco, legumes (gosto muito de legumes). Mas… Um bom Bacalhau à Braz serve para tudo! [risos]

 

Fotografias: Dário Branco.