Encontramo-nos a primeira vez e a sensação foi a de rever uma amiga. De braços abertos, sorriso sincero e portas abertas para o seu guarda-roupa.

Foi no coração da Madragoa, entre as subidas e as descidas típicas dos bairros lisboetas, que Constança Firmino encontrou o seu lugar ao sol. Escalamos as escadas íngremes que escondem o seu pequeno refúgio – um baú que esconde inúmeros tesouros por descobrir.  As paredes carregadas de arte, um armário inundado de riquezas e um gato chamado Clint Eastwood – é mais do que podemos contar para descrever Constança.

De 26 anos e filha da revolução tecnológica, é estudante de mestrado em Cultura Visual, Big Data e Tendências de Moda, trabalhou em social media e encontrou o seu escape criativo na plataforma Instagram. Entre os milhões de contas com milhares de seguidores, há pessoas que sobressaem pela atitude despreocupada, humor acutilante e estética visual altamente aguçada.

É assim que começamos a nossa viagem pelos guarda-roupas das raparigas mais cool do panorama das redes sociais portuguesas: bem-vindos ao mundo encantado de Constança.

 

Como é que te apaixonaste pelo mundo da moda?

Não me considero apaixonada por moda, é algo com que cresci. Lembro-me de ser pequenina e de brincar em lojas como a Fashion Clinic ou na Louis Vuitton (quando ainda era na baixa de Lisboa) enquanto os meus pais viam roupa. Acho que o gosto pela moda se entranhou em mim. Já não consigo imaginar a minha vida sem colecionar trapos.

 

Quais são as tuas maiores inspirações?

Os Firminos, os meus pais. No Instagram, a Gilda Ambrosio, a Courtney Trop e @fengfan_x. Na História, a Maria Antonieta e Princesa Diana. E, embora controverso, gosto muito do trabalho que a Miroslava Duma está fazer pela moda sustentável, embora não concorde com os seus comentários racistas.

 

E ícones de moda?

Paris Hilton? (estou a brincar!). Nos dias de hoje, sem dúvida, a Carine Roitfield e as irmãs Olsen, gosto muito da estética e visão delas.

Marcas Preferidas?

Jacquemus, Yeezy, Alexandra Moura, Dior e Palomo Spain.

 

Qual é a peça mais antiga que tens no teu guarda-roupa?

As malas Louis Vuitton e os lenços Hermés que roubei à minha mãe.

 

Qual é a peça mais cara que tens no guarda-roupa? E a mais barata?

Não foi a mais cara, mas a que me custou mais a pagar foi a minha Saddle Bag da Dior. É uma carteira do inicio dos anos 2000, por isso, tive que comprar pelo Ebay americano… Resumo da historia: acabou por ficar presa na alfândega! As peças mais baratas são todas as que roubo do armário da minha mãe.

 

Uma peça com significado?

O casaco Moschino da minha mãe (tem mais de 20 anos). Ainda no outro dia, encontrei uma foto da minha mãe com ele em Berlim, ela fez a viagem antes de eu nascer.

 

E com história?

Sem dúvida, a minha Speedy do Sephen Sprouse da Louis Vuitton. Foi uma peça que recebi quando fiz 18 anos e que os meus pais me trouxeram de Barcelona. Estou sempre a usa-la, mesmo passados quase 9 anos parece que a recebi ontem. É uma peça muito especial para mim, esteve presente em vários momentos marcantes da minha vida. 

 

Quais são as tuas 3 peças preferidas neste momento? 

Os meus mules (mega achado) Prada, o meu pijama e cinto da Off-White. Mas sou pessoa de mudar rapidamente de peças preferidas.

 

E as últimas 3 peças que compraste? 

Um top da Yeezy, uns óculos Le Specs azuis e um tuxedo da Zara nos saldos.

 

O que é que está na tua wishlist?  

Uma Baguette da Fendi dos anos 2000, um top Marques’Almeida nas Les Filles e umas calças de cobra da I am GIA.

 

3 tendências que adores? Como é que as incorporas no teu dia-a-dia? 

O regresso dos anos 00 com malas cheias de lógotipos, mules, calças de cinta descida estilo Marques’Almeida e fatos de treino Juicy Couture; os óculos mini micro (até o Kanye West enviou uma apresentação á Kim Kardashian a proibi-la de usar óculos grandes) e para o verão estou a adorar o estilo “férias em Marselha” da última colecção de Jacquemus. Não sou uma pessoa com limitações no que vestir, gosto de arriscar e experimentar combinações inesperadas. Não gosto de me cingir a um só estilo por isso estou sempre a variar e a reinventar o meu guarda roupa.

 

Um look que vestes sempre quando não sabes o que usar? 

Calças de ganga, uma t-shirt ou camisola, um casaco de cabedal preto e uns brincos fabulosos. Mesmo eu, às vezes, preciso de simplificar o que vestir.

 

Instagram – Constança Firmino

Fotografia – Teresa Costa Gomes