ser humano tem uma curiosidade intrínseca por tudo aquilo que está detrás da cortina e os desfiles de moda não são excepção – do fitting das roupas ao alinhamento dos modelos e dos cabelos à maquilhagem. 

Foi deste modo, que colocámos de lado todas as ânsias e desesperos que pairam no ar antes do espetáculo e apontámos a objectiva: tudo o que antecedeu o desfile de Filipe Faísca ficou registado para a posterioridade.

O criador apresentou a sua coleção Inocência no passado domingo, na ModaLisboa Multiplex. Inspirado pelo passado, o criador começou por revisitar a história do tradicional Bordado da Madeira – cuja origem remonta ao século XV com a descoberta da ilha às mãos das fidalgas, apesar de só desde meados do século XIX estar documentada a sua venda e exportação – integrando-o no guarda-roupa da mulher moderna.

A viagem começa no Núcleo Mu­seológico do Instituto do Vinho e do Bordado da Madeira, mergulhando no arquivo existente, rico em toalhas de mesa, colchas ou aplicações bordadas, e numa visita às casas das bordadeiras espalhadas pelo território insular, onde a arte, que se tornou um motor económico e um cartão de visita da Madeira além fronteiras, se executa diariamente com cantigas à mistura.

E foi entre a arte do bordado, os cabelos volumosos, os sapatos Roger Vivier e a roupa interior Wolford que recolhemos os melhores momentos do backstage através de polaroids.