Os olhos também precisam de dicas sobre o que vestir. E não nos estamos a referir a maquilhagem, pestanas falsas ou a lentes de contacto coloridas, mas sim a filmes. Fomos ao closet do festival de cinema de Cannes e tirámos de lá 5 filmes essenciais desta edição. Abram as gavetas oculares e vistam as vossas pálpebras com as nossas sugestões .

Redoutable, de Michel Hazanavicius

Estão a ver aquelas t-shirts brancas que têm estampadas na parte da frente uma foto a preto e branco de uma celebridade clássica vestida com um traje icónico? Do género, uma t-shirt com uma foto do Steve McQueen vestido com um blusão mauzão e uns Persol na cara ou uma t-shirt simples com uma foto da Marilyn Monroe com um vestido de alças arrebitadas e um chapéu de aba larga? O filme Redoutable de Michel Hazanavicius aplica o mesmo conceito. O realizador francês (que até já ganhou uma mão cheia de Óscares com O Artista) pega num episódio da vida de um dos maiores autores da vanguarda do cinema europeu, Jean-Luc Godard, e estampa-o na normalidade acessível de uma t-shirt branca.

 

The Beguiled, de Sofia Coppola

Ter Sofia Coppola, Nicole Kidman e Colin Pharrel no mesmo filme é um acontecimento equivalente a usar um vestido Valentino conjugado com uns sapatos Louboutin. Visualizaram? Pronto, não é preciso desenvolver mais, pois não?

 

Come Swim, de Kristen Stewart

É a primeira vez que a actriz da saga Twilight se apresenta como realizadora. Come swim é uma curta-metragem com o potencial para se tornar naquela camisa largueirona que no início toda a gente dizia “isso é de homem!” mas que passada um bom tempo tornou-se numa peça consagrada. Veremos como lhe assenta a câmara no corpo.

 

The Killing of a Sacred Deer, de Yorgos Lanthimos

A excentricidade do mestre grego promete fazer-se notar como uma camisa de padrão intrépido cheia de cores berrantes num velório de um tio-avô. Agora, imaginem que nesse velório a vossa tia-avó vem ter com vocês e diz-vos que usarem aquela camisa é uma falta de respeito tremenda mas vocês respondem que aquela era a camisa que vocês estavam a usar quando algo de muito peculiar aconteceu entre vocês e o falecido tio-avô. E que esse foi o melhor momento que passaram juntos. Daí, que faça todo o sentido estar a usar aquela camisa, que não havia peça de roupa mais coerente e adequada para usar e que era a vontade do tio-avô. Os filmes de Lanthimos são um pouco assim, cheios de excentricidade coerente e de uma inovação lógica. The Killing of a Sacred Deer pode causar estranheza e incompreensão como a tal camisa no velório mas depois de apreendido fará até a tia-avó sorrir de gratidão.  

 

Monica Belluci, Part I e Part II

Não, não haverá um filme em duas partes acerca da vida da actriz italiana. Haverá algo melhor do que isso. Em Cannes, Monica Belluci apresentará as cerimónias de abertura e encerramento do festival. Começar e acabar Cannes ao ritmo da musa Belluci em palco é o mesmo que vestir a melhor lingerie de renda à segunda-feira de manhã para uma entrevista de emprego muito importante, passar uma semana a usar lingerie feia e que transmite pouca confiança a quem a usa e, no domingo à noite vestir um conjunto de lingerie igual ao de segunda para um jantar romântico. Ou seja, as cerimónias de abertura e de encerramento podem não ser um filme mas a presença da anfitriã Monica Belluci torna-as em verdadeiro cinema vivo e merecem que a nossa atenção use a melhor lingerie para as ocasiões.

Imagens: IMDb