Powered by Brodheim

© © Grupo Brodheim. Todos os direitos reservados • Política de Privacidade

Tema do Mês

MANHÃS EM GRANDE ESTILO COM VANDA MIRANDA

01/01/2015

Afirma a sua voz às 7h da manhã perante milhares de pessoas e numa equipa totalmente masculina – haja força!

É um horário muito difícil… No fundo somos iguais a quem nos ouve, muitas vezes chegamos ao estúdio com pouca vontade, ou cansados ou com sono. No entanto é o nosso trabalho e, a partir do momento em que ligamos o microfone, temos que deixar isso para trás. E não é, de todo, um fingimento! Muitas vezes assumimos no ar que estamos em dias mais cansados, mas é o nosso trabalho. E ajuda muito sermos uma equipa tão grande e muito unida, pois puxamos uns pelos outros nos dias maus (que infelizmente existem para todos).

Em relação a trabalhar só com homens… Gosto, mas às vezes gostava de ter na equipa uma presença feminina. Na verdade existem muitas mulheres na Rádio Comercial, e damo-nos todas mesmo muito bem, mas não estão ali nas manhãs – sinto alguma falta. Os meus colegas são excelentes amigos e companheiros, mas as mulheres têm aquele sentido para perceberem aquelas nuances do nosso humor, para saberem que algo se passa. Os homens não, são mais “calhaus” (risos).

Mas na verdade, nunca me fez nenhuma confusão trabalhar só com homens. Até porque, quando comecei na rádio, esta ainda era muito masculina.

Está no programa mais popular da rádio, de um formato com um sucesso que arrasou e revolucionou o panorama nacional da rádio, está presente em muitas campanhas de publicidade, actua no MEO Arena… Imaginamos que, pelo menos profissionalmente, onde planeou estar.

Eu nunca fiz muitos planos em relação à minha vida profissional, nunca tive aquele bichinho “quero fazer rádio quando crescer”. Comecei numa rádio aos 17 e gostei imenso, mas se me dissessem que ia estar aqui provavelmente diria que não queria – sou muito tímida e ainda bem que as coisas foram acontecendo sem grandes planos e estou onde estou.

No entanto desde que comecei, tive sempre vontade de fazer rádio até ser velhinha.

Comecei por ser locutora de painel (ou seja, a solo) e quando o Pedro Ribeiro me convidou para o programa da manhã, que apesar de ser o “topo” no que toca a rádio, era em equipa e eu estava habituada a estar a solo. Mas não imaginava gostar tanto, de todo. Um dia, quando deixar de estar nas manhãs, espero voltar a fazer o meu painelzinho, sossegadinha mas gosoto bastante do que faço e de onde estou.

Sem ser a rádio (e as visitas de estudo a Mafra), conte-nos as suas grandes paixões.

Sem querer cair no cliché, tenho que dizer que as minhas grandes paixões são os meus filhos. Eu tenho dois filhos, com uma diferença grande de idade, e gosto muito mesmo de ser mãe – é um privilégio criar um ser humano. Nos tempos livres adoro fazer coisas com eles, especialmente viajar, mostrar o mundo e as suas diferentes realidades. Além disso gosto de ler, de conhecer novos sítios, novos restaurantes, novos conceitos, novas “modas”. Gosto muito de novidades, de experimentar novas coisas. Excepto desportos radicais (risos) – isso é que não. Gosto mais de Ioga e Pilattes, coisas para me acalmar (principalmente depois da loucura matinal do programa, que pode ser muito exigente emocionalmente).

Moda e beleza, é fã?

Gosto muito mesmo mas, como grande parte dos portugueses, não gasto fortunas em roupa. Gosto especialmente de sapatos altos, mas nem tenho uma grande colecção.

Tenho um grande gosto por me arranjar, usar os meus sapatos, ir sempre arranjada para a rádio – mesmo entrando tão cedo.

Felizmente hoje a moda está muito democratizada e sinto que as portuguesas estão cada vez mais arranjadas sem, no entanto, gastarmos fortunas nisso. Acho isso bem, não acho nada fútil – acho bem que as pessoas tenham gosto em arranjar-se, aumentar a auto-estima, o nosso aspecto. Às vezes basta uma pequena coisa para animar o dia de uma mulher.

Acorda tão cedo, no entanto, tem sempre muito bom aspecto nos vídeos.

Ai não me digam isso, eu até costumo dizer que desde que comecei este horário nunca mais tive bom aspecto. (risos) Até costumam perguntar-me se estou doente, se estou bem, quando na verdade é o horário a denunciar-nos! Até sou bastante disciplinada com o sono, vou sempre muito cedo para a cama, mas… Mesmo assim… Este horário realmente não perdoa.

Tem alguma dica para quem acorda tão cedo?

Na verdade o mais importante é mesmo a disciplina com a hora de ir para a cama. Fora isso, uso sempre um creme anti-rugas, apesar de não ter nenhum problema com a minha idade; fora isso também um bom creme de rosto e hidratar também muito bem o corpo.

Confesso que só não tenho muita paciência para os mil cremes com as suas mil funções de hoje em dia: tento optar por um que seja… Multifunções.

Além disso, uso sempre um pouco de maquilhagem para começar o dia com boa cara.

Fora tudo isto, a sesta! Uma sesta de 30 minutos consegue recarregar-me totalmente as energias e a disposição.

 

Não se esqueça de seguir a página de Facebook da locutora aqui.

Fotografia: Dário Branco

Afirma a sua voz às 7h da manhã perante milhares de pessoas e numa equipa totalmente masculina – haja força!

É um horário muito difícil… No fundo somos iguais a quem nos ouve, muitas vezes chegamos ao estúdio com pouca vontade, ou cansados ou com sono. No entanto é o nosso trabalho e, a partir do momento em que ligamos o microfone, temos que deixar isso para trás. E não é, de todo, um fingimento! Muitas vezes assumimos no ar que estamos em dias mais cansados, mas é o nosso trabalho. E ajuda muito sermos uma equipa tão grande e muito unida, pois puxamos uns pelos outros nos dias maus (que infelizmente existem para todos).

Em relação a trabalhar só com homens… Gosto, mas às vezes gostava de ter na equipa uma presença feminina. Na verdade existem muitas mulheres na Rádio Comercial, e damo-nos todas mesmo muito bem, mas não estão ali nas manhãs – sinto alguma falta. Os meus colegas são excelentes amigos e companheiros, mas as mulheres têm aquele sentido para perceberem aquelas nuances do nosso humor, para saberem que algo se passa. Os homens não, são mais “calhaus” (risos).

Mas na verdade, nunca me fez nenhuma confusão trabalhar só com homens. Até porque, quando comecei na rádio, esta ainda era muito masculina.

Está no programa mais popular da rádio, de um formato com um sucesso que arrasou e revolucionou o panorama nacional da rádio, está presente em muitas campanhas de publicidade, actua no MEO Arena… Imaginamos que, pelo menos profissionalmente, onde planeou estar.

Eu nunca fiz muitos planos em relação à minha vida profissional, nunca tive aquele bichinho “quero fazer rádio quando crescer”. Comecei numa rádio aos 17 e gostei imenso, mas se me dissessem que ia estar aqui provavelmente diria que não queria – sou muito tímida e ainda bem que as coisas foram acontecendo sem grandes planos e estou onde estou.

No entanto desde que comecei, tive sempre vontade de fazer rádio até ser velhinha.

Comecei por ser locutora de painel (ou seja, a solo) e quando o Pedro Ribeiro me convidou para o programa da manhã, que apesar de ser o “topo” no que toca a rádio, era em equipa e eu estava habituada a estar a solo. Mas não imaginava gostar tanto, de todo. Um dia, quando deixar de estar nas manhãs, espero voltar a fazer o meu painelzinho, sossegadinha mas gosoto bastante do que faço e de onde estou.

Sem ser a rádio (e as visitas de estudo a Mafra), conte-nos as suas grandes paixões.

Sem querer cair no cliché, tenho que dizer que as minhas grandes paixões são os meus filhos. Eu tenho dois filhos, com uma diferença grande de idade, e gosto muito mesmo de ser mãe – é um privilégio criar um ser humano. Nos tempos livres adoro fazer coisas com eles, especialmente viajar, mostrar o mundo e as suas diferentes realidades. Além disso gosto de ler, de conhecer novos sítios, novos restaurantes, novos conceitos, novas “modas”. Gosto muito de novidades, de experimentar novas coisas. Excepto desportos radicais (risos) – isso é que não. Gosto mais de Ioga e Pilattes, coisas para me acalmar (principalmente depois da loucura matinal do programa, que pode ser muito exigente emocionalmente).

Moda e beleza, é fã?

Gosto muito mesmo mas, como grande parte dos portugueses, não gasto fortunas em roupa. Gosto especialmente de sapatos altos, mas nem tenho uma grande colecção.

Tenho um grande gosto por me arranjar, usar os meus sapatos, ir sempre arranjada para a rádio – mesmo entrando tão cedo.

Felizmente hoje a moda está muito democratizada e sinto que as portuguesas estão cada vez mais arranjadas sem, no entanto, gastarmos fortunas nisso. Acho isso bem, não acho nada fútil – acho bem que as pessoas tenham gosto em arranjar-se, aumentar a auto-estima, o nosso aspecto. Às vezes basta uma pequena coisa para animar o dia de uma mulher.

Acorda tão cedo, no entanto, tem sempre muito bom aspecto nos vídeos.

Ai não me digam isso, eu até costumo dizer que desde que comecei este horário nunca mais tive bom aspecto. (risos) Até costumam perguntar-me se estou doente, se estou bem, quando na verdade é o horário a denunciar-nos! Até sou bastante disciplinada com o sono, vou sempre muito cedo para a cama, mas… Mesmo assim… Este horário realmente não perdoa.

Tem alguma dica para quem acorda tão cedo?

Na verdade o mais importante é mesmo a disciplina com a hora de ir para a cama. Fora isso, uso sempre um creme anti-rugas, apesar de não ter nenhum problema com a minha idade; fora isso também um bom creme de rosto e hidratar também muito bem o corpo.

Confesso que só não tenho muita paciência para os mil cremes com as suas mil funções de hoje em dia: tento optar por um que seja… Multifunções.

Além disso, uso sempre um pouco de maquilhagem para começar o dia com boa cara.

Fora tudo isto, a sesta! Uma sesta de 30 minutos consegue recarregar-me totalmente as energias e a disposição.

 

Não se esqueça de seguir a página de Facebook da locutora aqui.

Fotografia: Dário Branco

Por betrend